quarta-feira, 10 de junho de 2015

As novelas e a (des)educação das massas

Desde há uns meses para cá que acompanho a novela Mar Salgado, da SIC. Acontece que há umas semanas surgiu algo no enredo que me ficou a moer a cabeça e desde então não consigo pensar noutra coisa...
A Vitória, personagem interpretada pela Ana Guiomar, foi agora mãe. Já não vou explorar o facto desta gravidez não ter sido planeada e de a personagem ter querido interrompê-la, acabando por não o fazer devido à pressão dos familiares e amigos. O tema que aqui me traz é outro...
Pois bem, a moça lá teve o bebé e qual é o problema? Ela não consegue amamentar. Meu Deus, o caos, o drama, o Apocalipse! Basicamente, ao longo destas semanas, os diálogos têm sido muito à volta de "oh mãe, não consigo dar-lhe mama... Pensava que seria um processo muito mais natural" bla bla bla. Ora bem, o que é que acontece? Surge a hipótese de darem ao miúdo leite de substituição. Aí le wild sogra appears a dizer que isso não, ai o leite materno que é tão importante, ai as defesas, ai os laços e não sei quê.
[Deixem-me já para por aqui para dizer que isto é tudo muito bonito, mas que há muita boa gente que foi criada só com leite em pó e aqui anda fresca e saudável, nomeadamente eu!]
Pois bem, a rapariga, que sente que é MÁ MÃE (sim, isto foi dito mesmo nestes termos) por não conseguir dar mama ao bebé, ainda é estigmatizada porque vai ter de desistir de um processo desconfortável para ela e para a criança, em detrimento de outra opção.
Neste ponto eu simplesmente levo as mãos à cabeça. Tudo bem que as novelas são um veículo para mostrar outras realidades e até tentar mudar mentalidades (por exemplo, agora assiste-se a novelas que têm casais homossexuais). Mas fazer propaganda pró-amamentação desta forma é simplesmente ridículo. Há mulheres que não têm capacidade de amamentar, seja porque o seu organismo não produz leite suficiente, seja porque não têm mamilos que são perfeitas terrinas, seja simplesmente porque são seres humanos com livre arbítrio para escolherem que opção querem tomar. E não amamentar é uma opção válida.
Consigo imaginar um cenário em que poderiam existir estas nazis da amamentação: no caso da personagem ter todas as condições e decidir que não queria amamentar o bebé, só porque sim. No entanto, assiste-se a uma situação em que tal acto não é confortável para nenhum dos dois. Não se justificam os comentários depreciativos das restantes personagens.
Posto isto, queria deixar aqui este pensamento: as novelas influenciam. de facto, a audiência. Os argumentistas devem ter isso em atenção, principalmente com assuntos tão delicados e pessoais. O mundo não é só branco e preto, há muitas nuances a considerar. É um alerta que deixo.

2 comentários:

  1. A histeria da amamentação - e o "direito" de o fazer indiscretamente em público- têm andado na ordem do dia nos média. Ora, no Brasil certos lobbies fazem tudo para divulgar essas e outras ideias de uma forma algo exagerada, incluindo nas novelas. Acho tudo isso um disparate, mas eu prefiro as novelas do antigamente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também não aprecio este tipo de "ditadura da mama" que começa desde logo nos hospitais, com as enfermeiras a recusarem-se a dar os comprimidos que secam o leite e obrigarem as recém-mães (e respectivos bebés) a períodos de desconforto.
      Na novela também me surpreendeu, mas com tanto product-placement (fraquíssimo, diga-se de passagem), é pôr para lá a amamentação e tentar influenciar o povão.

      Eliminar