sexta-feira, 8 de abril de 2016

Como ser mais hippie no dia-a-dia

Um dos grandes dilemas da minha vida passa por não conseguir decidir se quero ser uma Jaqueline Kennedy ou uma hippie ativista dos anos 60. Qualquer uma das hipóteses revela o meu amor pelo vintage, e na verdade não sou coisa nenhuma além de moça de calça de ganga, camisola básica e All Star.
No entanto, a imagem de menina coquette retro diz-me cada vez menos. Por outro lado, todo o universo hippie me atrai imenso. Se a isto juntarmos a minha recente abertura para o vegetarianismo e o meu fascínio pelo mundo do Yoga, então a minha escolha começa a ser mais fácil.
Tudo isto para dizer que se vocês (meus dois leitores) estiverem muito aborrecidos, ou também quiserem "mudar de vida", podem ver aqui estes meus baby-streps em direcção a uma vida mais hippie, mais feliz, mais boa vibe, o que lhe quiserem chamar:

1 - Música
Uma nova fase da nossa vida merece uma nova banda sonora. E nada melhor do que a música para nos levar a viajar para outros universos, certo? Então vamos aproveitar para conhecer ou relembrar artistas que nos fazem lembrar estes tempos de paz e amor. As minhas sugestões passam por Janis Joplin (óbvio...), Bob Marley e The Beatles para artistas mais antigos (prometo ir descobrir mais). Se querem alguém recente, a Joss Stone é a minha cantora preferida e ela própria vive este estilo de vida. Em português? Lena D'Água, essa linda.



2 - Visual
Calma, não vou mostrar uma lista de compras aqui! (Até porque isso não é lá muito hippie...) Também não vou dizer para, de repente, saírem à rua com aquelas calças de fazenda com o gancho pelos joelhos e de camisola rota.
Mas... Sempre que precisarem de roupa nova, e que tal procurar por outros padrões e cores? Já faz algum tempo que eu não leio uma revista de moda, mas basta passear num shopping para ver que não é assim tão difícil. Vejo muita inspiração Woodstock na fast fashion!
Se peças de roupa ainda é muito radical, comecem pelos acessórios: um cachecol com desenhos de mandalas ou aquelas missangas que têm guardadas no fundo da gaveta são bons pontos de partida.











3 - Decoração
Encham-se de coisas hippie à vossa volta! Acendam uma vela ou um incenso. Desenhem flores-de-lótus, o símbolo da paz ou mesmo o Yin e Yang e espalhem pelas paredes do vosso quarto. Procurem a tipografia hippie e experimentem escrever mensagens positivas com esse tipo de letra. Pintem com cores garridas, o que importa é que vos transmita boas energias.



















4 - Alimentação
Este tópico tinha de entrar. Também não vou dizer a ninguém para mudar de regime alimentar, mas qual é uma das características mais marcantes dos hippie? Serem vegan. Que tal experimentar um prato vegetariano? Existem imensas receitas simples, e a maioria dos ingredientes já temos em casa. Força!

























Como fazer uma taça do Buddha, vi no Pinterest.


5 - Compreender os símbolos e encabeçar a filosofia de vida
O Om, popularmente conhecido por aí como "símbolo do transe", na verdade simboliza a criação do Universo, a união, o todo. É um dos sons mais importantes na meditação, também. A mão de Hamsa, igualmente conhecida por "mão-de-fátima", representa a protecção. O Ying e Yang representam o bem e o mal, e a bolinha contrária de cada lado serve para lembrar que mesmo dentro do bem existe mal, e vice-versa. Mas isto é tudo muito vago, nada como aprofundar com uma pesquisa, para não sairmos por aí a dizer coisas erradas.
O mais importante de ser hippie é levar a sua filosofia de vida em frente: respeito por todos, paz e amor. Boas energias, alegria e felicidade. Tão bom!

In a world full of Kardashians, be a Janis!

Sem comentários:

Enviar um comentário